Capítulo 100 + Curiosidades

***



Acordei de manhã bem cedo, quase não conseguia dormir de tanta ansiedade que aquele dia chegasse. Continuava a achar que talvez o pudesse ter feito antes, mas pela primeira vez achei que os meus pais tinham razão: não podia aparecer lá depois daquela notícia ter percorrido o mundo, pelo menos enquanto as pessoas continuassem a falar do assunto. Mas naquele dia ia erguer-me, outra vez, e recomeçar a minha vida. Não era uma notícia sobre eu ser órfã que me ia impedir de continuar com a minha vida… muito pelo contrário, devia enfrentá-la ainda com mais determinação, porque não me podia abalar e dar a entender às pessoas que era uma covarde. Não! Devia prosseguir com a minha vida, e esquecer todos os boatos e notícias que quase me destruíram a vida.
Desci as escadas e fui tomar o pequeno-almoço. Os meus pais já estavam acordados, para grande azar meu. Sentei-me à mesa e limitei-me a comer o meu pequeno-almoço.
- Então? Não falas? – Perguntou a Mãe, enquanto mastigava elegantemente o seu pão integral com manteiga sem sal.


- Bom dia… eu disse bom dia…
- Porque acordaste tão cedo? – Perguntou o Pai.
- Vou para a escola.
Nesse momento, ouviu-se um pequeno e quase inaudível engasgo por parte da mãe. Levou o seu copo de leite de soja à boca e deu um pequeníssimo gole, para recuperar. Bem podia ter dado um gole maior, para eu poder sair dali.
- Tu vais o quê? Só podes estar a brincar! – Vociferou agudamente.
- Porque não?
- Filha… - Interveio o pai, gentilmente – Eu não acho que seja a melhor ideia. A notícia de que tu és órfã ainda está muito recente, se fores para a escola vais fazer com que todos te olhem de lado…


- E qual é o problema? Isso não me interessa… tenho de voltar à escola, estou a perder matéria e no final do ano tenho exames!
A mãe soltou um riso de escárnio, troçando do que eu tinha dito.
- Já viste, Jordan? Agora a nossa filha está a armar-se em estudiosa…
- Pensei que vocês, como meus pais, me iriam apoiar nesta decisão! Eu não posso faltar mais à escola!
- Caso não saibas… - continuou a mãe – hoje é um dia muito importante para mim, ou já te esqueceste? Vai ser o desfile da minha nova colecção Outono/Inverno. Era suposto tu ires lá para me acompanhares e apoiares!


- Como é que queres que eu te apoie se nem tu me apoias nas minhas decisões?
- Sarah! – Vociferou o pai – Não fales assim para a tua mãe!
- Porquê? Não posso? Que eu saiba nos últimos anos vocês às vezes nem me viam dias e dias seguidos, e nem um telefonema ou uma mensagem me mandavam para saber se eu estava bem! Nessa altura eu fazia as minhas próprias decisões enquanto vocês se preocupavam mais com o vosso trabalho do que comigo! Agora não percebo o que vos deu na cabeça para se armarem em pais responsáveis!


- Tu sabes muito bem que o nosso trabalho exige muito tempo do nosso dia-a-dia! – Explicou impacientemente a mãe - Tu esqueces-te de quem te adoptou naquele orfanato? Se não fossemos nós tu ainda estavas trancada naquela espelunca!
- Talvez até me sentiria mais feliz, se assim fosse! Pelo menos lá recebia carinho! Claro… claro que vocês, quando me adoptaram, mo deram, mas agora…
- Talvez fosse mesmo melhor não te termos adoptado… para depois não dares valor a quem te deu de comer, quem te deu uma casa… quem cuidou de ti!
- A maior parte das vezes quem cuidava de mim era a nossa empregada!
O pai permanecia calado, a comer apressadamente o seu pão.
- Ouviste isto, Jordan? Agora culpa-nos a nós por fazermos a empregada cumprir as suas funções!


- Ela não era uma Ama! – Exclamei – Mas não vale a pena. Estou a ver que falar para vocês é como falar para desconhecidos! Eu vou para a escola…
- Sarah! – Chamou o pai.
Mas eu não respondi, peguei na minha mala e saí de casa, batendo com a porta.

***

O Jake e eu estávamos a ir para a escola a pé. A sua mota estava na oficina para revisão, e mesmo que não estivesse, eu recusar-me-ia a ir nela. O meu pavor a motas não mo permitia.
- Continuo a achar que devias ficar em casa… - Insistiu o Jake.


- Jake! Se o médico me deu alta é porque eu já estou bem! Não fazia sentido permanecer em casa, sabendo que estou bem…
- Correcção! “Achando que estás bem”… Tu ainda não estás bem, Mel!
- Ai, Jake! Que coisa! Eu sinto-me bem, sim?
- Pronto… eu não insisto.
- Além disso eu… não consigo estar em casa durante muito tempo. Continuo a ser invadida por recordações inevitáveis que ela me traz… só de pensar no que já se passou lá…


- Compreendo… mas não podes pensar sempre nisso! Também aconteceram coisas boas lá, não é? Tens de esquecer isso… é o teu lar…
- Eu sei Jake, mas não consigo. Depois de tudo o que passei, eu… eu sinto-me impotente para seguir em frente.
O Jake envolveu o seu braço nos meus ombros, dizendo-me com ternura:
- Tu vais conseguir, Melody… tu vais conseguir…


___________________________________________________


-- Curiosidades --

- A ideia desta história surgiu enquanto estava à espera que a minha mãe me viesse buscar à escola;
- Quando pensei na história da Melody, inicialmente, optei por um tema sobrenatural, em que ela achava este mundo muito imperfeito e que era transportada para um outro mundo governado por criaturas com uma mentalidade perfeita sobre a sociedade;
- Quando pensei no visual da Melody, baseei-me na Branca de Neve, pela pele clara e o cabelo escuro como o ébano (a ideia dos olhos verdes não tem origem nenhuma);
- Só tive a ideia de escrever um tema mais verídico quando comecei a observar certos comportamentos da minha turma que encaixavam perfeitamente na minha história;
- Quando criei o tio Arthur, considerei-o o “vilão” da história, que tinha atropelado de propósito a mãe da Melody para perder o bebé, só depois o considerei um elemento condicionante que fizesse a Melody entrar na Igreja;
- No primeiro capítulo, pensei em começar a história, não com o nascimento da Melody, mas com a mãe da Melody a acariciar a sua barriga, em frente ao espelho;
- Inicialmente não pretendia criar nenhum romance entre a Melody e o Jake;
- Esta série não vai ter temporadas, por agora, daí a ter uma quantidade superior de capítulos, pois não existe nenhum ponto de divisão coerente na série, onde consiga equilibrar bem a história de forma a poder dividi-la em duas partes ou mais, pois, esta série foca-se na história do passado da Melody, e não fazia sentido dividir isso em temporadas;
- Existem, no meu jogo, mais de 20 saves, cada um para cada momento específico da história: um para as sombras do passado da Melody, por exemplo, onde entram bastantes personagens difíceis de fundir numa só família;
- Criei a festa na praia nos capítulos iniciais da Melody, por estar ansioso pela chegada do Verão;
- Inicialmente não queria mostrar o passado da Melody tão detalhadamente, apenas querendo-me focar na noite do parto da sua mãe;
- Nas sombras do passado do Dave, no início, não pretendi mostrar uma vida sofredora, mas sim uma vida popular e ostentosa, rodeada de amigos, mas depois achei melhor inserir um pouco de drama;
- Desde o primeiro capítulo que guardo todas as fotos que tirei para a série. Ao todo são 5247, as que foram para o blogue e as que saíram mal ou as que achei desnecessário pôr.

4 Response to "Capítulo 100 + Curiosidades"

  • mmoedinhas Says:

    SInceramente apoio a decisão da Sarah! QUe pais mais ignorantes! Ahhh irrita-me! Tipo nunca vi tanta estupidez num par de seres humanos junta! arrrg fiquei irritada... VAI SARAH! *à alguns capítulos atrás eu nunca pensaria em dizer isto! As pessoas realmente mudam!*
    As curiosidades foram muito engraçadas e interessantes xD Acontece-me exactamente o mesmo que na 4º curiosidade nas aulas de fisico quimica, começo a pensar em historias com os meus colegas xD e realmente o dave encanxou melhor no passado "dramatico" do que no passado "popular"
    Dizendo tudo adorei!
    *a série vai ter mais de 100 episodios! ª.ª fixeeee*


  • mmoedinhas Says:

    Ah já agora feliz natal pra todos xD


  • Desi Says:

    LINDO LINDO LINDO!
    E já chegámos aos 100, né?
    Eu bem te tinha dito que ias chegar aos cem! E o melhor é que a história não perdeu nem um bocado da sua magia! Continua perfeito! *.*
    Segue!


  • Diogo Says:

    A ultima frase matou-me! É uma frase que tu puses-te muito mas muito bem e dou-te os parabens mas tambem por me teres conseguido prender nestes 100 capitulos, podia vir mais 100 mas a historia como esta, a terminar inflizmente, não o iria primitir possivelmente!
    Continua :D que to aqui para ler mais das tuas maravilhosas palavras


Postar um comentário