Capítulo 83



* * *

Parei em frente ao Nº 2 da Avenida Principal Mathew Kauffman. Naquele momento, mais do que nunca, senti o nervosismo a apertar-me o coração. Aquele vento gelado, típico da meia estação, fustigava-me a cara. Não conseguia parar de pensar no que os jornais e revistas diziam a meu respeito, mas todas essas preocupações iam dissipando-se gradualmente no meu coração. Tinha coisas mais importantes a fazer.


O Orfanato continuava aberto, ao contrário do que o pavão… quer dizer… do que a Melody, disse, no dia em que descobriram tudo. Ao fim deste tempo todo, posso concluir que ela me ajudou bastante. Não só me fez abrir os olhos, como também me fez perceber que somos todos iguais, precisando igualmente de ajuda mútua. Ninguém tem que se diferenciar por usar roupas fora de moda, ou apenas por não ter charme ou atitude. Somos todos seres humanos, e foi preciso acontecer o que aconteceu para eu perceber isso. Apesar das más recordações que retinha daquele Orfanato, as saudades do mesmo eram quase insaciáveis.


Já conseguia ouvir os risos infantis de todas aquelas crianças sem progenitores. Quase que conseguia sentir o cheiro daquele guisado surpresa que Miss Béatrice preparava todas as Quartas-Feiras à noite. Quase que sentia a textura farpada do meu urso de peluche, e da relva acabada de cortar logo pela manhã, quando ia para a escola primária. Sentia a mão áspera de Miss Béatrice, quando me pegava ao colo, para me levar á cama. Sentia o som da chuva a bater no vidro do meu quarto. Foi só nessa altura que eu me apercebi o quanto eu fui estúpida, acreditando que a fama e o dinheiro significavam tudo para a minha vida. O amor, a amizade… o afecto… tudo isso conta, tudo isso nos complementa, apenas eu não percebi isso.


Bati à porta daquela casa já envelhecida pelo tempo. Notava nitidamente as diferenças, mas por dentro, tudo continuava igual.


Abriram a porta. Por momentos não vi ninguém, só quando olhei para baixo é que vi uma criança, com uma boneca de porcelana na sua mãozinha.
- Olá! – Saudei, agachando-me. – Posso falar com a Miss Béatrice?
A criança não respondeu, mantendo a sua cara apática e vítrea. Dirigiu-se à cozinha, onde chamou Miss Béatrice. Esta, saiu de rompante da divisão, e encaminhou-se para o hall de entrada.
- Boa tarde, em que posso ser útil? – Perguntou, asperamente, sem me reconhecer. – A hora das visitas acabou!
- Não… não vim visitar ninguém. Quer dizer… Miss Béatrice, não se lembra de mim?
- Não… - Negou, olhando-me de alto a baixo.
- Sou a Sarah! Sarah, filha adoptiva dos senhores Mello!
Rapidamente, a sua expressão transformou-se num misto de alegria e tristeza, sem serem preciso palavras para me pedir para entrar.
Entrei, o chão de madeira velha a chiar por baixo dos meus pés. Todas as recordações mergulharam na minha mente, tão rapidamente, que facilmente esqueci tudo o que tinha acontecido lá fora.

* * *

- Melody! Fico tão feliz por decidires voltar para casa do teu pai! – A avó estava radiante, mesmo ciente de que aquele momento significava uma longa e difícil despedida.
- É… já está na altura de acabar com isto, avó. Finalmente vou poder ser feliz, concretizando o desejo da mãe. Acho que tomei a decisão certa…
- Se tomaste, querida! Estou tão orgulhosa de ti! – Felicitou-me, abraçando-me ternamente.


Vieram-me as lágrimas aos olhos, de pensar nos momentos que passei com ela naquela casa isolada. O som áspero do mar, os pratos deliciosos, noites a ver os Reallity Shows preferidos da minha avó, e, principalmente, a sua carinhosa hospitalidade. Sentia-me triste por deixar isso tudo, mas sabia que era por uma boa causa.


As malas já estavam feitas, pousadas no hall de entrada.
- Se precisares de alguma coisa, não hesites em telefonar-me, querida! – Exclamou a avó, vendo-me a caminhar para a entrada. – Não te esqueças!
Virei-me para trás e, pegando na medalha do colar da minha mãe, disse, com uma voz terna e reduzida.
- Não avó… não me esqueço…
- Dá cá um abraço, querida! Vou ter saudades!
- Avó! Nós vivemos na mesma cidade! Podemos visitar-nos uma à outra!
- Sim… sim! Tens razão… que parvoíce. Mas é difícil!
- Eu sei avó… para mim também é difícil! Mas um dia destes, vem a nossa casa e fazes aqueles cozinhados que só tu sabes! O pai agradecia-te! E muito!
Soltou um suave riso, limpando algumas lágrimas derramadas.
- Então… Adeus, Melody!
- Até logo! Isto não é um adeus!


- Sim, pois é! Até logo, querida!
Com isto, peguei nas minhas malas que, ao contrário do dia em que tinha chegado a casa da avó, eram muitas mais, pelos álbuns de fotografias e roupa que me tinha oferecido.
Entrei no carro, enquanto o pai punha as minhas malas na bagagem, e de seguida, dirigimo-nos para casa… para a nossa casa…

_______________________________________________________________

Olá caros leitores! ;D
Fica oficialmente anunciada a RECTA FINAL da Melody! A partir deste capítulo, iremos caminhar para o fim desta história brilhante!
Não percam! Pois muitas mais emoções estão para vir nesta contagem decrescente!

4 Response to "Capítulo 83"

  • Diogo Says:

    A D O REI!! completamente tenho vindo a demonstrar o meu descontentamento como sabes por estar a acabar mas neste capitulo o inicio foi muito bom e adorei cada frase que aqui escreves-te!PARABENS E espero pelos "ultimos"!


  • Desi Says:

    Simplesmente perfeito!
    Amei mais que tudo a parte da Sarah! *.*
    Ela está tão diferente! Mudou completamente!
    Quero definitvamente mais, embora esteja triste por estar a acabar... Passou demasiado rápido, mesmo... u____u
    Espero ansiosamente pelo desenrolar desta linda história. *-*


  • Inês Says:

    Que lindo *.*

    Adorei a parte da Sarah foi tão fofa ^^
    Finalmente caiu em si!!! :D

    Yupi.. a Melody vai voltar a casa!! :P


    *choro* Ohhh......... não acredito que a série vai acabar!!!! :( :O :'(

    Adoro mesmo muito esta série!! :)
    Obrigada por a teres criado! lol xP


  • mmoedinhas Says:

    Adorei demais, opá... A SARAH TA TÃO DIFERENTE! Ficou ainda mais bonita até! E simpatica... Não é a mesma estupida de sempre...

    Passemos a frente... *chora chora chora chora* A série tá a acabar! Não pode! :((((((( Peraí... Eu vou ali cortar os meus pulsos e ja volto...

    Dave!!!!!! Onde tás???? ª.ª


Postar um comentário