Capítulo 38

Desfilavam as duas pelo corredor fora, como se o mesmo fosse considerado uma Passarela. Todos os alunos que paravam para as ver seguiam-nas com o olhar, contemplando aqueles cabelos longos e lisos, um ruivo e outro loiro, e as roupas brilhantes e modernas.



Fechei a porta do meu cacifo com tanta força que muito provavelmente o som perturbador ecoou pelo corredor inteiro, fazendo algumas pessoas, que se encontravam mais próximas de mim, olharem-me de lado.
A Sarah dirigiu-se ao primeiro Jornalista que viu e a Cassandra veio ter comigo, histericamente feliz.
- Melody! Melody! Melody! Melody! Que tal estou? Ai eu nem acredito que estou assim vestida a andar com a rapariga mais popular do mundo!
E de seguida guinchou incomodativamente fazendo-me semicerrar os olhos e dizer com uma voz ácida:
- Pois… parabéns, Cassandra Brown!
- Obrigada, viste-me ontem na TV?



- Vi, vi… porquê?
- Que tal estive?
E nesse momento, a Sarah chegou de rompante e puxou o braço da Cassandra dizendo arrogantemente:
- Cassandra, o que é que eu te disse sobre falares com esta… coisa…?



- Coisa? – Indaguei.
Acelerei o passo para junto da Sarah e da Cassandra, sentindo que estava a ser perseguida por um Operador de Câmara.
- Mas quem é que julgas que és? – Continuei. – Pensas que és superior aos outros? Pois bem, enganas-te! Aliás, não és tu que vais para a Televisão a dizer que querias ser uma rapariga normal? Porque não desempenhas finalmente esse papel como todos os outros?



Ouviram-se vozes de fundo por parte dos milhentos alunos que nos rodeavam com os olhos arregalados. A Cassandra estava embasbacada a olhar para mim, e quando acordou do seu “coma” pediu-me:
- Mel, por favor, para com isso…



Soltei uma gargalhada irónica, com o sangue a subir-me à cabeça rapidamente com os nervos que comecei a ganhar.
- Tu cala-te! Nem te lembraste da tua verdadeira amiga na Televisão!
- Do que estás a falar? – Perguntou a Cassandra soltando uma gargalhada falsa para as Câmaras, que a focavam constantemente.
- Sim, ouviste bem! A Sarah não foi, nem nunca será a tua melhor amiga de sempre! Ela é falsa, cruel e má! E tu, só por quereres obter o primeiro lugar no “pódio de popularidade” juntaste-te a ela, esquecendo quem realmente esteve ao teu lado nos bons e nos maus momentos, quem te apoiou em qualquer circunstância!



No meio daquela discussão, o Jake correu até mim, agarrando-me suavemente, para me tirar daquele sítio. A Cassandra limitou-se a ficar com a boca aberta e a olhar lunaticamente para as câmaras, para os Jornalistas e para a Sarah que me fixava incansavelmente.
- Vamos embora… estás muito nervosa. – Disse o Jake, pegando-me no braço e deslizando a mão suavemente até à minha.



Levou-me até a um sítio florido da Escola, onde o único som que se ouvia era o som apaziguador do canto dos pássaros a voar incansavelmente por entre as copas verdejantes das árvores, que, com o vento, soltavam um odor muito agradável.



As lágrimas de raiva começaram a turvar-me a visão, fazendo-me limpar os olhos à minha camisola.
- Tem calma! – Exclamou o Jake dando-me palmadas desajeitadas nas costas, mostrando que odiava momentos como aqueles e que estava a fazer um esforço sobrenatural para o aguentar.



- Como é que ela foi capaz!?
- Eu vi-a ontem na Televisão. Infelizmente a minha mãe adora esse tipo de programas e aumenta o volume de tal forma que eu oiço do meu quarto, que está no segundo andar de minha casa! – Explicou o Jake sorrindo para mim, a fim de me alegrar um pouco e de me secar aquelas lágrimas brotadas por uma rapariga que nem as merece. – Esquece isso, Melody. Ela escolheu o seu caminho, e tu escolhes o teu! Apenas… esquece isso!



- Obrigada, por te preocupares, Jake, mas falar é nitidamente fácil… mas agir…
- Não há diferença! Não percebes? Desde que tenhamos força de vontade e uma mentalidade optimista conseguimos fazer o que quer que seja! Se pensássemos uma coisa e agíssemos outra, a nossa vida estava de pernas para o ar! – Disse ele voltando a soltar uma pequena gargalhada.
- A quem o dizes… De qualquer das maneiras, já não interessa. Mas preciso de falar com alguém que realmente me perceba.
O Jake baixou a cabeça com um ligeiro sorriso.
- Oh desculpa! É que… preciso de falar com alguém que saiba o que eu passei! E que conheça bem a minha vida! E… acho que já sei a quem recorrer…
Nesse preciso momento, a campainha, que marcava o início da primeira aula, disparou freneticamente, fazendo o Jake levantar-se.
- Então? Não vens?



- Não… preciso de ir falar com essa pessoa agora.
- OK… tu é que sabes. Até logo!



Fiquei alguns instantes sentada no banco daquele jardim florido, a escassos metros de distância de uma estátua em forma de Sereia feita de uma pedra fumada de cor branca ligeiramente áspera e corroída. Aproximei-me dessa estátua, varrendo-a com o olhar e percorrendo com a mão os seus traços e pormenores desgastados e envelhecidos. Em tempos, aquela estátua deve ter sido lindíssima, com aquela pedra que, muito provavelmente, brilhava com a luz do sol a incidir-lhe em cima e que seduzia o olhar de quem quer que fosse, que passasse por ali.



Mas rapidamente caí na realidade, apercebendo-me que ainda estava naquele Jardim florido onde um suave nevoeiro já o envolvera.
Entrei na escola soprando para as mãos para tirar algum pó que aquela estátua tinha soltado e dirigi-me à sala de Professores. Andei pelo estreito corredor dos cacifos dos professores, e o meu coração começou a bater cada vez mais depressa e um nervoso miudinho começou a espalhar-se por todo o meu corpo. Aquele sítio foi sempre desconhecido por mim nestes 6 anos que estive naquela escola. Aquele cheiro da tinta recente das paredes e do tecto invadiu-me as narinas fazendo-me lembrar do tecto cheio de humidade das salas de aula onde somos obrigados a estar 5 horas por dia.



Bati lentamente à porta da sala de professores e abriu-me a professora Bathilda Streisand, minha Directora de Turma desde o 7º ano até ao 11º ano. Ela, mais do que ninguém, ia compreender o meu estado de espírito.
- Melody! Há quanto tempo! – Exclamou ela, satisfeita por me ver, com o ligeiro brilho a cobrir-lhe os seus olhos grandes e castanhos.
- Olá Professora! Está tudo bem?
- Estou óptima! E tu? Pela tua cara parece que…
- Não… Pois, é por isso que vim ter consigo! A Professora continua a ser a Psicóloga da Escola?
- Sim, mas é só mais este ano. No próximo ano vão contratar outra Psicóloga…
- Então eu preciso de falar consigo, e preciso que desempenhe o seu papel de Psicóloga melhor do que nunca!

3 Response to "Capítulo 38"

  • Mr.Lis Says:

    Gostei muito!
    Agora as coisas vão ficar melhor =D
    Digo eu....


  • mmoedinhas Says:

    Ohhhhhh, Jake seu tolo! Pá, puxávas a Melody mas não era antes de ela dar um estalo à Cassandra! Era o que me apetecia... Ai, ai Elas são tãooooooo irritantes!!!!!!!!!! (cassandra e sarah)
    Saudades de ver o Dave!!!!!!

    Deg deg


  • Desi Says:

    Tão Perfeito!
    ADOREI Tanto este episódio!!
    Preciso de mais!

    A Mel fez exactamentre o que tinha que fazer... E concordo a 100% com a mmoedinhas, o Jake devia ter esperado!
    Aquela Cassandra devia ter levado um bofetadão! Ela e a Sarah, as duas de seguida.
    Só tenho medo é do que poderá acontecer á Mel depois de ter sido filmada naquelas circunstâncias...:S
    Mas de qualquer maneira, sei que vais guiar a história da melhor maneira possível!

    Fico á espera!

    PS: Sorry pelo hiper-comment...:$


Postar um comentário